O que é cyberpunk!


Desvende esse universo
 (por Filipe Dias)
No mundo rpgístico, cyberpunk é um gênero de aventuras em um universo de alta tecnologia! Entretanto, qual é a essência desse gênero que mistura a tecnologia e o movimento punk?

Segundo Lemos, o termo designa um movimento literário da ficção científica, iniciado nos Estados Unidos na década de 80 que une alta tecnologia e caos urbano. É uma expressão de ideias, muitas vezes obscuras, de como seria a interação entre homem e maquina em um futuro próximo.

Alguns aspectos são encontrados na literatura cyberpunk e consequentemente devem estar nas sessões de RPG.

Impacto negativo da tecnologia na sociedade: a tecnologia é extremamente avançada, mas ela aumenta as desigualdades sociais. Implantes cibernéticos, drogas maravilhosas, cyberspace, alta criminalidade. A poluição é parte integrante da vida.

Coporocracia: megacorporações controlam a sociedade. A vida do ser humano é anulada frente a vontade das empresas. O aspecto social, militar e cultural é ditado pelas corporações. Aqueles que se integram garantem um vida “confortável”. Quem está fora, são apenas parias da sociedade.

Anti-heroi e submundo: geralmente as histórias se passam no submundo. Os personagens são párias da sociedade. Punks, mercenários, hackers; oprimidos pelo sistema e em busca da sobrevivência. Os heróis muitas vezes fazem coisas que deixariam um orc escandalizado. Ninguém confia em ninguém e somente os fortes sobrevivem.

Informação: o acesso à informação é um tema vital. Se o indivíduo não é capaz de se manter atualizado, o mundo passa por cima dele. Hackers, crackers, phreakers, conectados em um mundo virtual, é parte integrante do gênero. Inteligências artificiais são uma realidade.

Estilo: é o mais importante. A moda e a das pessoas refletem a violência e a tecnologia. Braços cibernéticos reluzentes e olhos biônicos cromados. Moicanos brilhantes, skinheads com tatuagens fluorescentes. Luzes de neon, letreiros holográficos e torres de concreto e metal compõem  ambiente. Os personagens vivem em um inferno tecnológico e suas aparências refletem isso.

Os principais RPGs cyberpunks são o Cyberpunk 2020 da R. Talsorian Games, Shadowrun da Catalyst e GURPS CYBERPUNK, ainda sem uma versão na 4ª edição. Todos tiveram edições traduzidas pela DEVIR. Carregue suas armas, ajuste seus implantes cibernéticos e jogue em um mundo quase apocalíptico, onde sobreviver é a grande aventura.

12 comentários:

  1. Um dos melhores generos no meu ponto de vista! Pena que encontre poucos jogadores que curtem jogar cyberpunk!

    Aguardem que nesse fim de semana, estarei postando um aventura para GURPS CYBERPUNK!

    ResponderExcluir
  2. Adoro jogar em GURPS, junta o ultra-Tech com o cyberpunk fica INCRÍVEL!

    E para quem ama star Wars, e star trek como eu, é realmente incrível jogar nesse cenário *-*

    ResponderExcluir
  3. Eu sou muito fã de Cyberpunk 2020. Saudades das aventuras em night city.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca juguei Clerigo, mas foi esse livro que me ensinou a mestrar cyberpunk.

      Excluir
  4. Eu joguei Shadowrun e mestro GURPS CYBERPUNK. Como pano de fundo para as historias criei Belo Horizonte 2121, ja postado aqui: http://rpgamesbrasil.blogspot.com/2010/10/belo-horizonte-2121.html.

    É um cenário vibrante e os personagens sempre estão no fio da navalha!

    ResponderExcluir
  5. Põe fio nisso... mono-fio com vibro-lâmina! Me lembro do Lotek, um cyber-urubú q foi um dos meus primeiros personagens d GURPS, c num foi o 1º. Se esgueirando pelas ruas, em busca d restos d combates, cadáveres com implantes cybernéticos e órgãos frescos, pra vender td no mercado negro. Ele quase foi lobotomizado, já levou um tiro de fuzil laser militar na cara, foi intoxicado com um gás q paraliza td o corpo enquanto ele era metralhado. Num sei como é q ele tá vivo até hj! Cagão d+!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José, e na presença dele que morreu nosso caro amigo Nexus! Aquela aventura foi muito boa.

      Excluir
  6. Muito legal sempre curti muito o Gênero Cyberpunk, joguei muito Cyberpunk e ShadowRun. Acho muito legal essa coisa dos implantes biônicos e armas HighTech. Uma dica é ler o Livro Neuromancer de William Gibson, é uma excelente fonte de inspiração para criar ambientes Cyberpunks, descrevendo os grandes complexos urbanos, seus costumes, tecnologia e o cyber espaço. Vale a pena ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alê, realmente, essa é a leitura obrigatória para quem curte Cyberpunk!

      Excluir
  7. Cyberpunk joga as personagens em seus limites físicos, mentais, sociais. Todos os elementos que fazem parte desse subgênero da ficção científica influem diretamente na transformação das personangens ao longo da narrativa. Daí também a importância de os jogadores terem um bom repertório para participarem de uma campanha onde não há bem e mal, mas sim a sobrevivência, seja nos becos imundos ou nos esterilizados ambientes corporativos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fato Edusá. Cyberpunk os personagens estão no limite. Vivendo no fio da navalha sempre. Seja do lado psivológico, social ou físico!

      Excluir