Vamos pôr Ordem Nesta Bodega



Aqui quem manda é o mestre?
- por Filipe Lutalo
Título: Vamos por Ordem Nessa Bodega. Ilustrações de Lucas Martins. Publicação independente pela Macuanaíma Games, 2017, capa colorida, miolo preto e branco, 48 páginas.
José Noce é belo-horizontino, game designer e blogueiro. Joga RPG desde 1995 e edita o blog Macunaíma Games. Já colaborou para o RPGames Brasil e impunha como bandeira o dever de apresentar o RPG e jogos de tabuleiro para o público em geral.
“Mestrar RPG é um árduo trabalho”. Para o mestre, pode ser uma experiência frustrante após a leitura dos manuais, preparação das aventuras, criação de mapas, ter jogadores na mesa que estão descomprometidos com a história ou possuírem vícios que estragam a diversão. O objetivo de “Vamos pôr Ordem Nessa Bodega” é dar dicas para os mestres de como lidar com jogadores e preparar a sessão de jogo.



O livro é composto por três capítulos e dois apêndices, enumerados como: 1 – Introdução; 2 – Preparando sua mesa de RPG; 3 – Conduzindo o jogo. Os apêndices são intitulados Desenvolvendo seus próprios jogos e cenários e; Organizando Eventos.

No capítulo Introdução, Noce ressalta como é trabalhoso para o mestre de RPG criar uma aventura, narrá-la de forma empolgante e divertir a todos, inclusive a si mesmo. O objetivo do livro é ajudar aos mestres veteranos a fazer com seus esforços sejam recompensados. O autor cria sua obra a partir de suas postagens realizadas no blog RPGames Brasil e ressalta que seu público-alvo são os mestres veteranos. Minha opinião é que o livro é para todos, iniciantes e veteranos, que desejem organizar as suas sessões.
O capítulo Preparando a sua mesa de RPG conduzirá o mestre pelos caminhos de como selecionar “bons jogadores”, como montar um grupo para campanhas, organizar a mesa de jogo, a construção de personagens (in)adequados, e organização de one shots. Destaco a sugestão para montar o grupo com jogadores comprometidos com os horários de jogo e que entendam a proposta do cenário apresentado pelo mestre.

O capítulo 3, Conduzindo o jogo, explora dicas de como lidar com jogadores. Como o mestre conduz os advogados de regras, os cabeças de martelo, os palpiteiros e os “faladores” para que entrem no clima da aventura. E quando sentir que a aventura saiu dos trilhos, nesse capítulo você encontrará algumas dicas.
O último capítulo aborda três tipos de jogadores, que segundo o autor, existem nos grupos: o fresco, o louco e o burro. É um relato bem-humorado de mesas narradas pelo próprio autor.
Nos apêndices o leitor encontrará informações de como desenvolver jogos e cenários e como organizar um evento de RPG. Esses anexos são baseados na experiência do autor que desenvolveu os jogos Pirâmide do Poder e Golpe de Estado, além de participar da organização do Encontrode Jogos e Protótipos de 2018 em parceria com o Movimento Horizonte Indie de Desenvolvedores de Jogos em parceria com o CEFET-MG e Dia Nacional do RPG de 2019 em BH, promovido pelo RPG BH.
A ilustração do livro e a arte da capa e do desenhista Lucas Martins, que com traços caricatos e cômicos captam a essência do que José Noce nos apresenta: “jogar RPG é diversão para jogadores e para os mestres.”
Boa leitura!



2 comentários:

  1. Vc resumiu muito bem o meu livro Filipe. Só faltou falar que este livro nasceu não só dos artigos que eu publiquei aqui, como também das inúmeras conversas que nós dois já tivemos à respeito desse tema.

    Obrigado pela força!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado José! Você materializou a obra. Você é o cara!

      Excluir