Hammerblood - Cap. VII - A visão e o calabouço

Colossos, Nihill, Elster e Araor chegaram até a entrada do pântano novamente. A sua volta a vegetação farfalhou e quatro aranhas gigantes desceram das arvores. Elas abaixaram suas costas e fizeram menção para que os aventureiros as cavalgassem.  Todos, exceto Colossos se sentaram sobre o dorso macio de uma aranha. O homenzarrão tentou montar, mas a aranha não suportou o seu peso. Assim, decidiu caminhar.

Conduzidos pelas aranhas eles atravessaram por atalhos no pântano e chegaram até a caverna da feiticeira Berdel. Quando chegaram à câmara central a feiticeira os esperavam.

- Vejo que conseguiram a bola de cristal.

- Sim - falou Colossos. Araor a desenrolou e estendeu à maga.

Ela a colocou sobre o pedestal e passou a mão sobre a joia. No mesmo momento ela se turvou e imagens de fumaça se formaram.

- A menina... o mar... vejo uma caverna. Sim... norlandeses bárbaros fazem dela prisioneira, mas... esperem... esperem... eles estão de partida... em um barco ao cair da tarde zarpará... Um mago, forte os acompanha.

- Onde ela está – perguntou Colossos.

- No norte, em uma caverna que possui um porto natural.

- Ei sei onde fica – falou Araor. – Temos que partir agora, pois se quisermos salvar garota, temos que chegar antes que a tarde caia.

Deixando a caverna e o pântano. Depois, rumaram para leste, a vila dos pescadores. Talvez lá poderiam contratar um barco que encurtaria  o caminho.

***
Ahbran e Bonnie se encontravam nos calabouços de Eoul Hammerhand. A porta do corredor se abriu e Jordan, o capitão da guarda entrou. Assim que fechou a porta, ele falou:

- Vocês não deveriam estar aqui. Sabem, lorde Eoul Hammerhand é muito honesto e defende o seu povo. Se vocês forem a  julgamento serão condenados.

- O que quer de nós, capitão – perguntou Bonnie.

- Preciso que escoltem um jovem até a floresta. Um grupo de mercenários atacará e o levará. Quero que facilitem o trabalho dos mercenários que sequestrarão o rapaz – continuou a falar o capitão.

Bonnie e Ahbrain pensaram sobre o assunto.

- Quem é a pessoa – perguntou Ahbran. – E o que ganhamos em troca?

- Ganharão a liberdade e no momento certo saberão o que terão de fazer.

- Nós aceitamos.

Em uma cela ao lado um homem raquítico, cabelos negros e olhos castanhos falou assim que o capitão saiu.

- Ele traíra vocês, como me traiu.

Ao meio dia, um guarda gordo entrou no calabouço para dar a liberdade a Bonnie e Ahbrain.

3 comentários:

  1. Muito bom!

    Vejamos onde este pacto irá levar...

    ResponderExcluir
  2. HAHAHAHAHA...

    Essa eu também quero ver!

    ResponderExcluir
  3. Tô louco pra v o desenrolar desta história. Ae Druida, tenta compilar os dois capítulos de defasagem da sua campanha com o diário, pq essa subtrama com Bonnie e Ahbrain eu num tava sabendo. Tá ducaraca.

    ResponderExcluir