Ser ou Não Ser Indie?... Eis a Questão.


Depois da criação do termo Old School, o vocabulário RPGístico foi enriquecido com mais uma expressão: o Indie. Apesar de não estar tão em voga quanto o primeiro verbete, podemos ver esta palavra num blog aqui, num post acolá. Mas, afinal, o que é Indie? (por José Bones)

Este é o nome dado para RPGs alternativos, feitos por jogadores ou editoras independentes. Muitas vezes, controversamente, o termo também é usado para jogos de estilo mais cult, como o Call of Cthulhu e o In Nomine. Além disso, muitos jogos começaram como Indies pra depois cair no gosto em geral dos RPGistas, como muitos dos materiais da White Wolf e da extinta Dragão Brasil. Nesta matéria veremos os prós e os contras destes materiais, pra quem quer sair da mesmice.

Por que ser Indie?
Os jogos Indies são indicados para quem não se contenta com os mesmos de sempre. Nem todo RPGista consegue viver só do “arroz-com-feijão” do GURPS, Storyteller e D&D, entre outros títulos populares. Outra característica marcante é o fato de que boa parte destes materiais está disponível em formato virtual, acessível gratuitamente ou por preços módicos. Isso facilita a aquisição destes RPGs e reduz os gastos com livros caros. Principalmente quando você pode lê-los no próprio computador ou Tablet.

Existem materiais Indie compatíveis com outros sistemas, tais como cenários, aventuras, miniaturas, mapas e maquetes de papel, do tipo print and play, para você enriquecer as suas campanhas. Há também os chamados Retro-Clones, que são adaptações de jogos mais antigos, porém com um conteúdo mais sofisticado ou de alguma forma diferenciado do original. O Old Dragon e o Mazes & Minotaurs, ambos com base no D&D 1ª edição são bons exemplos. Sem contar que os jogos Indie têm, em sua grande maioria, um apelo Old School, para alegria dos fãs do gênero, apesar de não ser regra geral.

Também esses materiais são ótimas referências para um Mestre criar o seu próprio sistema ou cenário. Pra terminar, pode ser que algum desses autores alternativos, daqui a alguns anos, possa criar um dos próximos grandes jogos de sucesso.

Por que não ser Indie?
Os sistemas tradicionais, geralmente, tem uma maior diversidade de materiais e suplementos, além de possivelmente, contar com regras e cenários mais detalhados. Além disso, muita coisa do que é produzido de RPGs Indie não tem qualquer critério de qualidade e acaba sendo preciso ter muita paciência pra encontrar algum jogo ou material que te agrade. Muito do que é gratuito não passa de material do tipo fast-play, ou seja, resumos dos jogos, o que os torna incompletos.

Outro ponto é que seu grupo pode apresentar alguma resistência à jogos Indie; preferindo – ou até mesmo bitolando-se – em algum jogo que eles conheçam mais. É muito mais fácil jogar o que todo mundo joga e conhece. Além de ser trabalhoso quebrar a cabeça decorando todo um novo sistema de regras e ainda se familiarizar com um cenário totalmente novo e algumas vezes exótico, como reclamam alguns jogadores.
  
Conclusão
Jogar ou não um RPG Indie depende muito do gosto coletivo do seu grupo. Não adianta o Mestre aparecer com um jogo maravilhoso, mas que os jogadores não tenham se identificado com ele. Assim como um jogador querer jogar uma coisa e o resto do grupo outra. Porém, mesmo assim, ainda dá pra usar aventuras, miniaturas, mapas e outros acessórios para dar uma nova cara aos seus jogos. 

13 comentários:

  1. "Sem contar que os jogos Indie têm, em sua grande maioria, um apelo Old School, para alegria dos fãs do gênero, apesar de não ser regra geral."

    Ahn.. o quê? Tudo bem que old school tá tendo um momento legal aqui no Brasil, mas dizer isso é bem sem sentido.
    Mesmo os jogos mais simplistas, costumam ter um modelo mais próximo do pensamento atual de design (divisão de narração por meio de regras, aumento do poder de decisão do jogador, etc.).

    ResponderExcluir
  2. Saudações Amigos!

    Muito boa postagem sobre os RPG indies.

    Um observação: vocês poderiam corrigir o link do Blogosfera News dos Cavaleiros, pois está indo para uma página 404. O link:
    http://www.cavaleirosdasnoitesinsones.com.br/

    Boas jogadas e postagens!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado José pela postagem.

    Para mim, esse é um conceito novo. Apesar de ter observado o crescimento dos jogos independentes, conheço poucos para discutir se eles são Old School ou não. Entretanto, quem acompanhou os dois posts sobre OS, verá que as discussões rolaram muito no estilo de se jogar e não no conjunto de regras.

    Jogos como Old Dragon, M&M e Era Perdida RPG, ao meu ver trazem a temática OS. Mas regras são apenas regras. O importante é a forma de se jogar.

    ResponderExcluir
  4. Fernando, link dos Cavaleiros da Noite insones corrigido. Mesmo quando direciona a pagina para http://www.cavaleirosdasnoitesinsones.com.br, o erro permanece! Direcionei para o blog!

    Obrigado pela presença e pela dica!

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante. Confesso que não conhecia este termo.

    Estou realmente ficando velho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Odin, somos inundados o tempo inteiro de termos novos. Nem sempre consigo acompanhar. Essa, quem me apresentou foi o José e outros Blogs.

      Excluir
  6. Engraçado, essa questão de se "indie" ou não é como se fosse uum tema transversal! Está presente em várias áreas ligadas à expressão artística,comunicação, etc...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edusá, isso é verdade. O termo é transversal. Eles é usado em muitas outras áreas de cultura, principalmente, a música com a condição de produção independente.

      Excluir
  7. O Indie é um aspecto da contra-cultura em geral, como disse o Eduardo. É bom enxergar as várias facetas do todo para melhor admira-lo.

    Mto obrigado pelos elogios e críticas, tds foram construtivos. + eu tenho q dividir os créditos com o Paulo, q me ajudou na questão dos contras do Indie.

    ResponderExcluir
  8. Depois d alguns debates, me sinto na obrigação d fazer aki uma pq errata sobre o post:

    1-"(...)controversamente, o termo também é usado para jogos de estilo mais cult, como o Call of Cthulhu e o In Nomine." Eu quiz dizer q é errôneo chamar CoC e IN d Indie, apesar d me atrapalhar com as palavras, como me puxaram a orelha fora do blog.

    2-"(...)muitos jogos começaram como Indies (...) como muitos dos materiais da White Wolf e da extinta Dragão Brasil." Ignorei o porte destas empresas qdo lançaram os seus 1os produto, portanto pequei na expeculação. Mea culpa.

    3-"(...)os jogos Indie têm, em sua grande maioria, um apelo Old School(...)" Só posso dizer isso do material q eu encontrei, + há mto material q não chegam até nós, sendo restritos a um circuito + alternativo d rpg. + é bom lembrar q OS é antes d td um estilo d jogo, e não o jogo em si.

    + 1x, agradeço as críticasm pq elas me enriquecem, e me desculpem pelos erros.Flw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José, erros acontecem! Valeu pelas explicações.

      Excluir