Hobbit, livro x filme



Muitas mudanças
(por Filipe Dias)


Para os fãs de Tolkien e da História de O Hobbit, o filme “O Hobbit, uma jornada inesperada” vai ficar surpreendido.

Peter Jackson, mais uma vez mostrou sua maestria em adaptar a mitologia tolkiana. O filme, como era de se esperar, é uma adaptação do romance. Assim, o diretor necessitou mudar alguns fatos narrados pelo escritor para dar coerência ao enredo do filme.

Em minha opinião, as mudanças foram para melhor, pois deu mais vida para os personagens e não deixa aqueles que não estão familiarizados com a obra sem entender porque um personagem surge do nada. Tomemos como exemplo, a aparição de Arwem, em “A Sociedade do Anel”. No livro, ela é quase uma lembrança para Aragorn, surgindo apenas no fim da estória. Já no filme, ela cumpre o papel de resgatar Frodo quando perseguido pelos Cavaleiros Negros e faz a magia dos cavalos de água.

Enfim, em "O Hobbit, uma jornada inesperada", muitas coisas serão diferentes do romance. Espero que tenham agradado aos fãs, como me agradou. E que a jornada continue! 

7 comentários:

  1. Apesar de não apreciar os toques pessoais de Peter Jackson nas obras de Tolkien, reconheço que algumas modificações são realmente necessárias, e Concordo contigo, nobre druida. O Hobbit, de maneira geral, é mesmo um bom filme.

    Não hei de aborrecer-vos, nobres amigos, explicando porque julgo praticamente todas as liberdades que o autor tomou nos filmes de O Senhor dos Anéis tolas ou de muito mal gosto, mas de forma geral, admito que realmente gostei do que foi feito em O Hobbit. Mesmo não apreciando o fato deste pequeno livro ser explorado em 3 filmes.

    Minhas críticas quanto a O Hobbit são apenas em relação ao humor bonachão e sofrível que Peter Jackson insiste em colocar nas histórias de Tolkien usando anões (este tipo de humor quase não aparece nem mesmo em O Hobbit, um livro feito para crianças) e da maneira perturbadora como Jackson vê os elfos como seres muitas vezes esquisitos, afeminados e sem emoções. Acho que esta estranha "fascinação" que Peter Jackson tem por elfos e por personagens "belos" prejudica muito seu trabalho nas obras de Tolkien.

    Peço mil perdões se ofendi algum fã de Peter Jackson. Esta certamente não foi minha intenção. Todos têm direito a uma opinião, e acredito que todas as opiniões devem ser devidamente respeitadas.

    ResponderExcluir
  2. Odin, descordo um pouco de você em relação aos Elfos. Acredito que o Peter Jackson da um caráter mais andrógeno que feminino aos personagens.

    Quanto aos anões, concordo com você em relação a deixá-los engraçados. Sempre os imaginei mal humorados e sisudos, não cômicos.

    ResponderExcluir
  3. Sim, tens razão quanto aos elfos, nobre amigo. Afeminados não foi mesmo uma palavra bem precisa. "Andrógenos" seria o termo mais correto, mas que não deixa de ser um pouco perturbador, não deixa...

    ResponderExcluir
  4. Muito. Falta um pouco de masculinidade nos elfos. Se pegarmos o Silmarilion, vemos que os elfos são guerreiro valorosos.

    ResponderExcluir
  5. Apesar d ainda não ter lido O Hobbit, achei "legalzinho" o filme num geral. Gostei das adaptações pra criar um "prelúdio" pro Senhor dos Anéis. E da trilha sonora, q nem é d td original + traz um "feeling" grandioso para a saga da companhia d Thorin Escudo-de-Carvalho .

    Porém, esteticamente, Peter Jackson cometeu erros crassos na minha opnião. Primeiro, ele produziu um filme em 3d full hd sem domínio desta nova técnica d filmagem. Por exemplo, dá pra v q os machados do Dwalin são d plástico! Isso entre outros defeitos similares, q c eu fosse descrever tds aqui, daria um banner. As proporções corporais dos anões são humanas demais. Ao contrário dos Hobbits, Anões têm compleição atarracada, robusta, mta massa muscular e feições quadradas. Mas qdo eu vi o Thorin pela 1a vz num trailler, eu pensei comigo msm: "O q é q aquele humano tá fazendo no meio dos anões?" Além disso, Peter Jackson fez o Thorin, o Kili e o Fili parecerem metrosexuais. E o Bonfur virou um mendigo. Um erro ridículo para quem já produziu anteriormente o figurino do Gimli, q ficou perfeito. Sem contar q o jogo de perspectiva entre os atores não me convenceu. E por último, não acho q o filme deveria t 3 partes. Só na 1a parte, eles já chegam na toca do Smaug. Vai c um combate igual aqueles dos Cavaleiros do Zodíaco, uma "Guerra de Mil Dias". Vão encher linguiça pra ganhar mais dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José, concordo com você em quase tudo. Quanto ao tamanho do filme, poderia ser em uma parte. Nesse filme, acredite, Peter Jackson explorou apenas os 7 primeiros capítulos. O livro tem 19. Muita coisa vai rolar ainda! ;)

      Excluir