Warhammer 40k – Parte 5

Os Mortos, os Selvagens, as Bestas e o Bem Supremo

- por José Noce

Nesta série de postagens, estamos apresentando os detalhes sobre o war game Warhammer 40k. Agora iremos falar sobre as raças que ameaçam a existência da Humanidade. Veja também as Partes UM, DOIS, TRÊS e QUATRO desta matéria.

Os Necrons são uma raça antiqüíssima, mais do que os Eldar. Suas mentes foram transferidas de seus corpos efêmeros para corpos mecânicos imortais. Os corpos lembram esqueletos metálicos e podem se reconstruir através de nanotecnologia. Quando são completamente destruídos, suas mentes retornam para suas Necrópolis perdidas nas areias do tempo, esperando que um novo corpo seja construído. A tecnologia ancestral que dominam lhes permite atravessar os obstáculos mais fortemente defendidos e destruir fortalezas e guerreiros com seus canhões Gauss e suas armas de partículas.


Os Orks são uma raça bárbara e cruel que infesta a galáxia de um extremo ao outro. De pele verde e temperamento violento, só vivem para lutar, matar e conquistar. Sua constituição, bem mais robusta que os humanos, seu DNA é mais aparentado com o das algas e fungos do que com o dos animais, o que lhes dá uma grande resistência. Eles se reproduzem por esporos, alastrando-se rapidamente por onde passam como uma praga. Com a sua tecnologia rudimentar, mas extremamente criativa, eles se lançam furiosamente em combate com suas armas e veículos feitos de sucata enquanto gritam “Whaaaaaagh!” com todos seus pulmões.


Provenientes de outras galáxias, os Tyranids são uma raça de bestas devoradoras de mundos. Criaturas quitinosas dos mais variados aspectos e tamanhos. Invadem um planeta após o outro devorando toda a sua massa biológica, deixando para trás apenas uma rocha estéril. Comunicam psiquicamente entre si, além de interferir na atividade psíquica de outras raças. Apesar de serem criaturas individuais com as mais variadas funções, suas mentes são interligadas através da Mente Enxame. Esta conduz toda a raça em seu instinto de subjugar e devorar, como que se cada criatura fosse apenas uma parte de um organismo maior.


Os Tau são uma raça que recentemente alcançaram o espaço. Habitam a borda leste da galáxia e, em poucos milênios, evoluíram de uma raça primitiva para um império expansionista e altamente tecnológico. Usam armamentos e veículos de tecnologia superavançada, além de trajes especiais de combate que se convertem em plataformas de artilharia extremamente velozes. O Império Tau foi edificado sobre o conceito que o indivíduo deve deixar de lado os seus desejos pessoais e trabalhar em benefício do Bem Supremo. A existência de um Tau pode ser curta se comparada com a de outras raças - quarenta anos em média, mas eles a vivem da melhor maneira possível sob esses preceitos. Ao contrário de outras raças, não são abertamente hostis, ainda que seus exércitos lutem com firmeza para proteger seus territórios. O dinamismo do seu Império acabou empurrando a sua expansão para áreas ocupadas por outras raças. Porém, o Império Tau estende os braços e oferece sua aliança a todas e a cada uma delas. O que acaba gerando muito conflito, principalmente com raças mais antigas e orgulhosas. Outras raças aceitaram o Bem Supremo e passaram a integrar o império como os mercenários de Kroot e os Agulhões Alados de Vespid.



Na próxima postagem, iremos explicar um pouco mais das mecânicas do jogo e mostrar os preparativos que antecedem uma partida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário