A desolação de Smaug: Livro x Filme

Peter Jackson Ensandeceu?
(por Filipe Dias)


Depois de um ano inteiro, chega o verão, as férias e o segundo filme da triologia de The Hobbit: A Desolação de Smaug. Sem enrolação, pois, isso já tem demais no filme, Peter Jackson escorregou no quiabo. Todos os elogios que eu fiz no primeiro post: Hobbit, livro x filme, se dissolveram.

Não que eu tenha achado o filme ruim. Os efeitos especiais são legais e as cenas de ação são impressionantes. Recomendo que assistam, pois promete algumas horas de diversão. Entretanto, para quem é fã de Tolkien, o filme não agrada, fora os erros de continuidade e de cenário.

Na minha opinião, o primeiro erro do enredo foi a chegada dos anões na casa de Beörn. Uma corrida de anões desesperados que fugiam dos ocs e de Beörn ensandecido na forma de um urso. Toda a comédia de como é a chegada dos anões no livro foi deixada de lado. Não vou falar da tristeza de ver os orcs andando à luz do dia, perseguindo os anões.

Outro ponto que me desagradou como fã, foi a presença de Legolas no filme e dos elfos roubando as cenas no combate contra os orcs. No livro, o papel mais importante é dado aos anões e a Bilbo, não aos elfos. A forma como eles apareceram foi desnecessária. E desnecessária ainda, foi a afeição que surge entre Tauriel (a elfa) e Kili (anão da companhia).

Combates! Isso tem demais, o que deixa a poesia do livro a parte. Os combates em 3D me lembraram os jogos de PC baseados no Senhor dos Anéis, lançado depois dos filmes. Alguém tem dúvida, que sairá um jogo, onde você controla Legolas e luta contra os orcs, enquanto os anões em barris servem de trampolim para o elfo acrobata?


Concluindo, como um filme de ação, A Desolação de Smaug é excelente e vale a pena pagar para assistir no cinema. Entretanto, para os fãs do saudoso velhinho, o filme poderia se chamar “A Decepção de Smaug”.

14 comentários:

  1. Concordo! Para virar uma sequência "arrasa-quarteirões" estão tentando fazer um replay de Senhor dos Aneis. A coisa toda ficou épica demais, complexa ao extremo. Achei forçado o triângulo amoroso também (elfa-anão-legolas). Não gostei do jeito que foi terminado, poderia ter um círculo fechado, dando brecha para a sequência. Em suma, um tapa na cara. Agora, acho que como foi colocado no post, é uma boa diversão. 80% das pessoas devem ter curtido. Eu não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, penso que o diretor tem a liberdade de fazer as adaptações necessárias para fechar a estória, pois, Tolkien, às vezes falha nisso. Entretanto, deturpar o ódio entre anões e elfos não agradou mesmo.

      Concordo com você sobre o replay de o Senhor dos Anéis. Apesar de estarem no mesmo mundo, os romances possuem tons dinstintos, que não está sendo refletido no filme.

      Excluir
  2. Concordo também. O que foi aquele anão gigante de ouro se liquefazendo por cima do Smaug?? E aquela cena do dragão perseguindo o Thorin no poço? Sinceramente, bocejei umas três vezes nas sequências de ação. Estava exausto de ver tanta enrolação.
    E foi realmente uma decepção a parte do Beorn não ter sido nem um pouco parecida com a do livro, a qual achei hilária.
    Agora me respondam, por favor, por que deixariam o Gandalf preso naquela gaiola, ao invés de matá-lo de uma vez? Como um dragão gigantesco não consegue carbonizar instantaneamente 14 criaturas minúsculas dentro daquela montanha? Coisas muito improváveis me incomodaram muito neste filme. Ele é divertido, só isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandro, esse foi um ponto crucial também. No livro, Smaug sai da montanha e a sobrevoa procurando os anões. Essa cena de ação poderia ter sido trabalhada a céu aberto, o que aproximaria mais a obra da sétima arte e ficaria legal do mesmo jeito.

      Excluir
  3. É saudosismo exagerado dizer que o filme falhou. O livro é uma introdução light à Terra Média, bem humorado e com personagens rasos à um ponto aceitável, bonitinho com o perdão da palavra (ainda mais a parte da Arvore de Natal com anões).
    O que fizeram com o filme digo que foi excepcional, por extender um "livreto" em algo próximo da trilogia-chave. Podemos perceber como que as coisas migram do humor e claro como luz do dia, do 1º filme, para o sombrio e sóbrio 2º filme.
    A Tauriel foi feita no filme, tem um caso com o Legolas, mas no Senhor dos Aneis, o Legolas não tem um cacho por ai, e ainda mais com o triangulo com Kili, posso apostar algumas cevas que ela morrerá no 3º filme, numa cena bem foda com os três, na dita "bloodiest war ever" do Peter J.
    Fechando, não achei as cenas de ação desnecessárias e sim bem estimulantes e inesperadas para quem conhece a historia. Duas vezes pensei que Smaug fosse morrer mesmo, mudando o rumo da história. E os elfos foram um adendo aceitavel nos combates, mas nada é mais satisfatório q ver o Legolas apanhar kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, para mim, Peter Jackson faz um trabalho essencial deichando as pontas soltas que Tolkien deixa. O problema é que ele exagerou. Fiquei impressionado como ele conseguiu reduzir os três romances da triologia do Anél em três filmes. Mais me impressionou como ele estendeu o livreto de O Hobbit em três filmes.

      Excluir
  4. Discordo fortemente de ti, Anônimo. A adaptação deste "livreto" para o cinema tinha tudo para ser um novo Willow ou A História sem Fim, mas graças aos devaneios e delírios de Peter Jackson, o que recebemos no segundo filme da série foi um filme raso, humor pastelão e elfos desfilando como robôs afeminados e maquiados recebendo muito mais atenção do que os verdadeiros protagonistas da série.

    Uma verdadeira lástima para fãs da Terra Média e do trabalho de Tolkien. Concordo plenamente com Sandro, Edusá e com o sábio druida que escreveu este post.

    Este pode ter sido um filme bonito e com alguns momentos de diversão; estou certo de que a maioria dos pré-adolescentes que assistiu o filme saíram satisfeitos do cinema, mas acho completamente impossível que alguém que tenha realmente lido o livro conseguiu engolir o Legolas invencível, Smaug sendo ludibriado pelos anões, elfos saltitando por todo o filme, Sauron prendendo Gandalf ao invés de matá-lo, etc.

    Torço para que o terceiro filme seja mais parecido com o primeiro, e que depois disso, Peter Jackson nunca mais coloque as mãos em um trabalho de Tolkien.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Odin, Migrar o tom bonachão do primeiro filme para um tom mais sóbrio no segundo poderia ser uma licença poética aceitável. Os anões iriam enfrentar o glorioso Smaug (que por sinal ficou ótimo). Agora, a enfase poderia ter sido deixada apenas para os anões e Bilbo.

      Excluir
  5. Não li o livro, mas achei o primeiro filme muito melhor que o segundo. Achei que os elfos pareceram infinitamente superiores aos anões e não gostei. Afinal pelo que entendi no filme os protagonistas são os anões. O romance eu entendi como uma forma de adoçar a mente, mas desnecessário. Podia ter sido a cura do machucado e pronto. Sobre o dragão estou esperando o próximo filme, pois ouro quente queima... Ou ele ficaria pesado e blindado ainda mais entao um pouco de dificuldade de voar( nao vi isso) e ao se sacudir do ouro a montanha ficará dourada? Aguardo a continuidade

    ResponderExcluir
  6. Bem, espero que a montanha não fique dourada, ai Peter Jackson pode ser internado (kakakakakaka). Sua sugestão sobre a cura do machucado já era suficiente para dar motivação a Elfa.

    ResponderExcluir
  7. Finalmente pude ver "O Robert", como diz minha ex. kkkkk

    Os erros estéticos do 1o filme continuaram no 2o. Anões com proporções demasiadamente humanas, figurinos visivelmente artificiais (armas de plástico, ninguém se despenteia além do Gandalf, etc) e a falta de domínio com a técnica de filmagem em 3d full hd. O roteiro foi pura encheção de linguiça, além de absurdo. Aquele romance ridículo e despropositado, Bilbo falando com Smaug completamente visível - e sem ser comido por isso! E o combate patético entre os anões e o dragão dentro da dungeon parecia aqueles filmes de lutadores mirins contra capangas apatetados. Numa situação normal eles nunca sairiam vivos. Sem contar os elfos-ninja roubando a cena. A boa notícia e que pra aqueles que como eu ainda não tiveram a chance de ler o livro, a história parece que foi tão deturpada que quase não vai ter spoiller.

    Eu acho que está passando da hora de fazerem um abaixo-assinado para o Peter Jackson parar de cagar na obra do Tolkien, igual chegaram a fazer com o George Lucas um pouco antes dele vender o Star Wars pra Disney.

    ResponderExcluir
  8. Os restos mortais de Tolkien devem estar entrando em furiosa "convulsão" dentro do seu mausoléu por causa deste filme.

    Pra ser sincero eu me diverti assistindo ao filme. Efeitos especiais bem feitos, cenas de luta impressionantes, os elfos arrebentando e Smaug impressionante. Porém, em vários momentos eu me senti que estava vendo um outro filme qualquer de fantasia e não "O Hobbit" baseado no livro de mesmo nome.

    Desde quando eu li que Peter Jackson havia resolvido fazer três filmes baseados em um livro que, com somente um único filme seria o bastante, eu pensei que haveria bastante coisa que não estaria no livro e que, de maneira nenhuma, haveria necessidade de estar no filme. Deu no que deu.

    Então, antes de ver o filme eu preparei meu psicológico e entrei em "suspensão de incredulidade". Dessa forma assisti ao filme sem julgá-lo e nem compará-lo à narrativa do livro.

    Como resultado, eu gostei bastante do filme por causa do trabalho plausível do Peter Jackson.
    O filme "O Hobbit - A Desolação de Smaug" é um belo filme de fantasia, no entanto, é uma obra que, na minha opinião deve ser SEPARADA do livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ricardp, faço minhas as suas palavras. Se for fã da obra de Tolkien, é melhor assistir sem correlacionar as midias.

      Excluir