Torne-se um bom mestre – Parte IV

Espontaneidade e Improviso
(por Filipe Dias)

Mestre: “Vocês saíram da floresta e avistaram uma vila”.

Jogador 1: “Qual o nome da vila? Meu personagem está procurando por alguma placa na estrada que indique o nome”.

Mestre: “Você ilumina a placa com sua tocha e lê para seus companheiros: Merlin’sVillage”.
Jogador 2: “Opa, essa é a mesma vila da qual fugimos semana passada?”

Mestre (gaguejando): “É... não ... “peraí” ... deixa ... eu ver minhas anotações”...

Às vezes, nossos jogadores nos surpreendem com perguntas ou tomam atitudes que não esperávamos. Nessas horas, todo mestre improvisa, mas o bom mestre faz sem que os jogadores percebam, pois eles podem mudar a forma que encaram aquele encontro. Ou achar que o mestre não possui uma aventura planejada e ficarem frustrados.

Muitos autores e livros de RPG incentivam o mestre a improvisar quando a aventura sai do eixo, mas como diz Robins Laws, o mestre tem que se preparar. Isso envolve ser espontâneo.
Para ser espontâneo e improvisar sem que os jogadores percebam, o mestre precisa de ferramentas que o ajudem na improvisação.

Qual o nome da garçonete?
Crie ou use um programa que lhe possa dar uma lista de nomes de personagens e lugares. Um site muito bom é o Dojon, listado entre os links FAVORITOS na coluna lateral do blog. Quando um jogador perguntar qual o nome daquela garçonete, consulte a lista e diga. Tome o cuidado de anotar se for de alguma importância para a aventura.

Grammer, o taverneiro está de bom humor?
Os personagens do mestre possuem sentimentos. Muitos jogos apresentam tabelas de reações que ajudam o mestre a determinar como um PdM reage ao personagem do jogador. Uma boa ferramenta é ter, também, uma lista de emoções do tipo: triste, irritado, feliz, neutro, sonolento, carente. Isso dá vida ao PdM, evita a construção de uma ficha e pode ser um gancho para uma aventura. “Grammer aparentemente está triste, vocês... ”

Aqui estão, duas pequenas dicas capazes de ajudar o mestre na hora de improvisar. Lembrem-se, às vezes, as melhores aventuras começam em uma situação improvisada, mas os jogadores não precisam saber disso.


Veja as Parte IParte IIParte III desse artigo.

2 comentários: