Os Sete tiram o teu sono!



Promoção de Halloween no RPGames Brasil
(por Filipe L. Dias)


Os Sete é um romance, dentro do gênero Horror, escrito pelo aclamado escrito brazuca André Vianco.

O livro narra à descoberta de uma caravela portuguesa naufragada há cinco séculos no litoral brasileiro. Dentro dela, encontram-se sete cadáveres aprisionados em uma caixa de prata, acusados, na época, de bruxaria. Universitários, da faculdade de Porto Alegre irão estudar os cadáveres, que estão em perfeito estado de conservação... Algo inexplicável pela ciência moderna. É, no mínimo uma história de arrepiar.

Se você não leu e curtiu a sinopse do livro, ou mesmo que tenha lido não possui Os Sete, basta comentar e concorrer a um exemplar. No dia 2 de novembro, às 20 horas, o RPGames Brasil vai sortear um exemplar entre os membros do blog que cumprirem o seguinte regulamento:
  • Ser participante público do blog.
  • Comentar essa postagem contando uma historia de horror que já viveu ou soube.
  • Ser residente no Brasil.

O sorteio será realizado somente entre aqueles que participam do blog publicamente e tiverem comentado a postagem. Por isso, se não é um membro basta começar a participar e deixar o seu comentário. 

Boa sorte! Hahahahahahahahaha

13 comentários:

  1. Esse é um ótimo livro, acabei perdendo o meu, se ganhar terei a coleção completa de novo, tenho os filhos de sétimo, os 3 livros do turno da noite, Bento e os 2 livros do vampiro Rei, são ótimos livros do André Vianco

    ResponderExcluir
  2. no Carnaval de 1997, fomos eu e uns amigos para Cidade de Tibau do Sul, no Rio Grande do Norte, Estavamos num baile, quando um amigo da gente desapareceu misteriosamente, no dia seguinte encontramos o mesmo voltando para a pousada que estavamos perguntamos onde ele estava, ele disse que passou a noite na Praia com uma tal de Gabriela, um morena muito bonita, acabou dormindo e quando acordou ela não estava mais lá, mais tarde ele foi procurar por ela e para a surpresa de todos a mãe dela disse que ela tinha morrido a Três anos afogada na praia onde meu amigo Dormiu, todos ficamos muito impressionados com isso e tentamos procurar uma explicação, quando ele viu as fotos dela que a mãe mostrou de um album de fotografias, Carlos desmaiou, depois disso, Carlos nunca mais quis saber de Carnaval em Tibau do Sul, quem duvidar pode ir ao cemitério de Tibau do Sul e procurar a sepultura de Gabriela Araujo da Silva ela morreu no dia 16 de Fevereiro de 1994.

    ResponderExcluir
  3. Pois contam que antigamente na Inglaterra, um ser chamado Ankou buscava a alma daqueles que iam morrer. Ele conduzia uma carruagem arruinada, em péssimas condições, e que rangia muito ao se movimentar. Quem ouvisse esse som sabia que a sua hora estava próxima. Ninguém jamais havia visto o rosto da criatura, a não ser aqueles que nela adentravam para serem conduzidos ao além.

    Uma noite, sabendo que um tio seu morreria logo, um jovem tolo se escondeu próximo de sua casa, entre as palhas do celeiro, para avistar o rosto da criatura. Logo que avistou a carruagem, viu dela descer um ser maltrapilho, encapuzado, carregando uma gadanha (foice grande) com a lâmina invertida, para fora, ao contrário da que os camponeses usam para cortar o trigo. Um momento, a criatura parou, como que sentisse a presença do jovem. O sangue do rapaz gelou quando a criatura veio na direção do celeiro, e ele pode ver o rosto por trás do capuz: uma face cadavérica, pútrida, que ostentava um olhar sinistro das suas órbitas oculares vazias. O Ankou parou na porta do celeiro por alguns instantes, mas depois deu as costas e voltou à carruagem. O som do rangido metálico logo se fez ouvir pela noite quando esta começou a se movimentar, seguindo para longe dali. O jovem, apesar de chocado com o que vira, conseguiu ainda olhar mais uma vez para a carroça funesta. Ele se espantou ao ver que na traseira do carroção ia o seu finado tio, que lhe olhou bem nos olhos antes da carruagem fúnebre sumir entre as brumas.

    No dia seguinte, o rapaz foi se gabar do seu feito com o povo da vila onde morava. Mas, tragicamente, na noite seguinte, ele caiu repentinamente vitimado por uma febre atroz que acabou por tirar a sua vida antes mesmo que o sol nascesse.

    Ninguém escapa do Ankou.

    ResponderExcluir
  4. Bom, a minha história não é tão aterrorizante, mas foi coisa de filme e foi real rss. Eu e minha esposa morávamos em uma quitinete no térreo de um conjunto habitacional. Saímos de férias 15 dias e fomos visitar nossas famílias. Quando retornamos, logo ao abrir a porta vimos 3 baratas (mto grandes) correndo. Matei as 3. Ao abrir a porta do banheiro, surgiram mais 5. Bom, decidimos jogar agua no chão para dar uma limpada e ver se não tinha aparecido mais nenhuma. Quando arrastamos o sofá, a parte de trás estava forrada de baratas enormes e não era possível sequer ver o tecido do sofá. Eram baratas voadoras ainda por cima que começaram a voar pela quitinete.

    Aquela quitinete tinha 36 metros quadrados. Eu matei 40 baratas. Mais de 1 barata por metro quadrado. Tudo porque não fizeram a dedetização adequada, e as baratas entraram pelo vão da porta e fizeram ninho no sofá.

    Quer algo mais terrível que isso? rss

    ResponderExcluir
  5. O ataque das Baratas Voadoras! Esse é trash! Cara tem um amigo meu que morre de medo de barata... Acho que ele enfartaria se visse tanta barata junta!

    ResponderExcluir
  6. Ahahaha, acho que sim. Eu nunca tive medo de barata, mas confesso que hoje, depois daquele dia, sinto um "mal-estar" quando vejo uma rss

    ResponderExcluir
  7. Nossa, meu alter-ego com certeza teria morrido duas vezes ao ver tantas baratas juntas. Ela morre de medo de praticamente qualquer inseto, principalmente besouros, aranhas, baratas voadoras e cigarras. Aliás, darei a palavra a ela para que conte sua história de terror:

    "Minha história de terror também não é uma história de terror exatamente. Quando eu era pequena, minha avó materna morava em um edifício cuja alcunha era "Matilde". Era um prédio já velho, com portas e corredores escuros, e um estacionamento no subsolo que dava medo a qualquer criatura com menos de 10 anos de idade. Um dia, caí na besteira de perguntar a minha vó porque o edifício se chamava Matilde. Um de meus primos sádicos inventou a história de que uma mulher chamada Matilde estava enterrada lá, exatamente no medonho estacionamento. Obviamente, minha avó e pais desmentiram a história, mas eu jamais tive paz novamente. Meus primos chegaram a se esconder no bendito estacionamento uma vez e ficar berrando "Matilde!" com uma voz fantasmagórica apenas para me assustar. E o pior é que até hoje tenho calafrios quando passo perto do bendito edifício, mesmo com 24 anos de idade!".

    ResponderExcluir
  8. Que primos pentelhos! Realmente um lugar horripilante!

    ResponderExcluir
  9. Hahaha, estas são histórias realmente escabrosas, e posso confirmar que a de Frodo e Astreya são mesmo verdadeiras!

    Já divulguei tua promoção macabra em meus Salões, e logo virei contar algo assombroso também!

    ResponderExcluir
  10. KKKKKK. Altas trasheiras da vida real, então vou contar algumas sacanagens q eu e meu irmão fazíamos com minha irmã. Qdo ela era pequena, a gente saía atrás dela andando tipo zumbi e falando "MIOOOOLO!!!!" Ela morria de medo, kkkkkkk!!! E qdo passava na tv aquele filme, Colheita Maldita, a gente olhava bem no fundo dos olhos dela e dizia: "Aquele Que Anda Entre as Espigas quer a sua alma! HAHAHAHA!" A besta saía correndo e chorando.

    ResponderExcluir